quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Revolta marca enterro de advogado em Parauapebas



Reportagem sobre assassinato do Dr. JAKSON - Secretário de Segurança do Jatene diz que "não sabe"

video


É inacreditável, mas o secretário de segurança pública do governo JATENE disse que "não tem conhecimento de causa"!

Então vamos contar pra ele: "... Em Parauapebas, os opositores do prefeito VALMIR DA INTEGRAL estão sendo assassinados, a cidade está aterrorizada, mas não são apenas os opositores do prefeito de Parauapebas, todo fim de semana 5, 6, 7, 8, 9 e até 10 assassinatos ocorrem no município, algumas mortes são anunciadas com bastante antecedência, tem até lista..."

Pronto, agora o nobre secretário de segurança pública está sabendo!

Veja matéria do Diário do Pará - "Conselho para o General"


Enquanto Parauapebas de despede de um cidadão de BEM, Valmir da Integral recebe ORLY BEZERRA, que fará o papel do "marqueteiro do terror"

"A permanência de VALMIR DA INTEGRAL, a continuidade desse governo por um dia, uma hora, um minuto ou um segundo que seja, é um atentado à democracia, ao estado de direito, às leis - Parauapebas está aterrorizada,  mas reagirá com mais firmeza ainda!"

A presença desse Sr. VALMIR DA INTEGRAL atenta contra tudo, impressiona que a JUÍZA DA VARA DA FAZENDA PÚBLICA  não tenha afastado esse indivíduo do cargo, há muito tempo, IMPRESSIONA, são dezenas de ações, todas com provas contundentes, mas infelizmente temos que dizer - estranho o que ocorre  e o que não ocorre em PARAUAPEBAS!

Nem vamos citar o MINISTÉRIO PÚBLICO local, não tem uma ação de improbidade e nem criminal contra o Sr. VALMIR DA INTEGRAL, uma sequer, para isso não há qualquer explicação, é preciso que o CNMP se pronuncie sobre o que ocorre em Parauapebas ou sobre o que NÃO ocorre em Parauapebas!

Membros do Sistema OAB despedem-se do advogado Jakson Silva

“Não vamos descansar enquanto todos não estiverem cumprindo pena. E continuaremos lutando pelo estado de direito, que sempre foi a sua luta.” (Jarbas Vasconcelos)

A emoção tomou conta de todos os familiares, membros do Sistema OAB no Pará e cidadãos presentes ao velório do presidente da subseção da OAB em Parauapebas, o advogado Jakson Silva, que foi assassinado no último sábado, na cidade de Manaus, estado do Amazonas. O corpo foi velado no estacionamento da sede da subseccional da Ordem em Parauapebas, cuja inauguração ocorreu em novembro do ano passado.

Consternado com a perda irreparável para a instituição, o presidente da seccional paraense, Jarbas Vasconcelos, compareceu ao velório acompanhado pelo vice-presidente, Alberto Campos, o secretário geral, Jader Kahwage, o diretor tesoureiro, Eduardo Imbiriba, o presidente da Caixa de Assistência dos Advogados do Pará, Oswaldo Coelho, pelo presidente da Comissão de Defesa de Direitos e Prerrogativas, Antônio Barra Brito, o vice-presidente da referida comissão, Rodrigo Godinho, e os conselheiros seccionais Robério d'Oliveira e Dennis Serruya.

Dezenas de presidentes subseccionais da OAB também estiveram presentes na cerimônia: o presidente da subseção de Santarém, Ubirajara Bentes Filho, o presidente da subseção de Marabá, Haroldo Gaia, o presidente da subseção de Tucuruí, Marcelo Barreto, o presidente da subseção de Redenção, Carlos Eduardo Teixeira, e a presidente da subseção de Rondon do Pará, Adriana Lopes.

Homenagens

Para a advogada Irenildes Soares Barata, primeira mulher advogada a atuar em Parauapebas, o felecimento deve encorajar a todos a não desistir dos sonhos. "Jakson lutou até o final de seus dias pelos sonhos dele e a OAB sempre fez parte dos sonhos dele. Nós precisamos dar continuidade ao sonho que ele sonhava: o de uma sociedade mais justa e digna para todos."

Ao agradecer pela presença de todos os presentes, o vice-presidente da subseção de Parauapebas, Deivid Benasor da Silva Barbosa disse que Jakson era bem quisto por todos e essa é uma perda irreparável. Ele se comprometeu em não deixar a "peteca cair". "A OAB e a sociedade civil organizada estão de luto. E sempre que falamos em OAB lembramos do Jakson e é em nome dele que daremos continuidade ao trabalho que ele iniciou."

“Jakson esteve junto com a gente desde o início da formação do nosso grupo ‘OAB de todos’. E sempre foi um dos presidentes que mais nos cobrava melhorias para a advocacia na região.”, afirmou Alberto Campos, vice-presidente da OAB-PA.

“Ele sempre nos cobrou que déssemos continuidade ao sonho dele e um deles era trazer um curso de especialização para Parauapebas. E esse sonho será realizado em parceria com a Faculdade Maurício de Nassau, que trará pra cá uma especialização no primeiro semestre.”, informou Alberto.

Ele também lamentou que no Pará se mate mais do que no países em guerra e assumiu o compromisso de cobrar justiça deste e de outros casos de assassinato de advogados. “Não vamos descansar enquanto todos não estiverem cumprindo pena. E continuaremos lutando pelo estado de direito, que sempre foi a sua luta.”


“No Pará existem hoje mais de 14 mil advogados. E a nossa maior luta é pela vida, nossa maior prerrogativa.”, disse o presidente da subseção da Ordem de Marabá, Haroldo Gaia. “Essa era a luta do Jakson, que morreu batalhando para garantir dignidade aos cidadãos. Essa é a luta de todos nós. Por isso, impunhemos essa bandeira e digamos não à violência. A segurança pública precisa ser levada a sério no nosso estado.”

Emoção

A população de Parauapebas participou intensamente das últimas homenagens ao advogado Jakson Silva. Após o velório, um cortejo partiu da sede da subseção às 10h30 da manhã de hoje. Centenas de pessoas acompanharam o cortejo em carreata pelas ruas da cidade. Uma bandeira da Ordem foi hasteada no veículo que transportava o corpo do advogado. Jakson Silva foi sepultado no cemitério público de Parauapebas.

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

ASCOM do terror - Parauapebas chora seus filhos, eles estão sorrindo!

Eles poderiam apenas respeitar a dor do povo de
Parauapebas e se recolherem uns dias

Eles dizem que o atual prefeito de Parauapebas tem o que mostrar, a cidade está aterrorizada com o que ele vem mostrando.

Eles deviam ao menos se recolherem, com seus sorrisos, por uns dias, em respeito as vítimas do terror que impera em Parauapebas.

A cidade não suporta o cinismo e a frieza dos membros desse governo.

Eles devem ter motivo pra sorrirem, os cidadãos de Parauapebas não!

Terror em Parauapebas, Valmir da Integral chama o marqueteiro ORLY BEZERRA

O "MARQUETEIRO DO TERROR", seria essa a nova missão de ORLY BEZERRA em Parauapebas



Neste fatídico dia, um dos piores da história do nosso município, o prefeito de Parauapebas, VALMIR DA INTEGRAL, tem a "honra" de receber o Sr. ORLY BEZERRA, "marqueteiro" da GRIFFO, que em companhia do advogado MAURO SANTOS vieram socorrer o atual e famigerado governo VALMIR DA INTEGRAL.

Na nossa modesta opinião, a presença da arrojada dupla significa apenas que Parauapebas ficará mais pobre ainda.

Acredite

Valmir da Integral compareceu ao velório do Dr. JAKSON, claro, ao mesmo tempo em que chamava ORLY BEZERRA para ser seu "marqueteiro do terror".

Os outros dispensam

A bondade do Dr. JAKSON e seus familiares não lhes permitem E NEM FARIAM qualquer ato de desagravo contra qualquer pessoa, mas a presença de VALMIR DA INTEGRAL no cortejo, no velório e no sepultamento do Dr. JAKSON é uma atitude para a qual não temos classificação, Deus faça que realmente seja um ato de solidariedade cristã, Deus queira, espera-se que não seja uma orientação do "marqueteiro do terror".

De qualquer modo, os remanescentes da lista dispensam a presença do prefeito VALMIR DA INTEGRAL, fique o registro.

segunda-feira, 26 de janeiro de 2015

Imagens de câmeras podem ajudar identificar autores do crime

Polícia tenta identificar quem matou advogado por meio de vídeos, no AM

Presidente de subseção da OAB no PA foi morto com tiro em Manaus.
Segundo a Ordem, o nome dele estava em lista de 'marcados para morrer'.

Do G1 AM
Jakson Souza e Silva era presidente da Subseção da OAB em Parauapebas, município do Pará (Foto: Divulgação/ OAB-PA)
Jakson Souza e Silva era presidente da Subseção
da OAB em Parauapebas, município do Pará
(Foto: Divulgação/ OAB-PA)
A polícia deve usar imagens do circuito de vigilância de uma casa para tentar identificar os suspeitos de assassinar o advogado Jakson Souza e Silva, de 45 anos, com um tiro. Ele foi morto no fim da noite de sábado (24) em uma rua do bairro Redenção, na Zona Centro-Oeste de Manaus. Jakson era presidente da Subseção da Ordem dos Advogados do Pará (OAB-PA) em Parauapebas - município do Pará a 719 km de Belém. A diretoria da Ordem no Pará acredita que o crime foi encomendado. A Polícia Civil do Amazonas não descarta a possibilidade de latrocínio, roubo seguido de morte.
Ao G1, o titular da Delegacia Especializada em Homicídios e Sequestros (DEHS), Ivo Martins, afirmou que a polícia também tenta descobrir se o advogado foi seguido do Aeroporto Internacional Eduardo Gomes, situado na Zona Oeste de Manaus, até o local do crime.
Segundo o delegado, Jakson Silva veio a Manaus para o aniversário de uma amiga. O advogado voltaria ao Estado do Pará na quarta-feira (28). "Ele desembarcou em Manaus por volta de 22h30. Pegou um táxi e foi para a casa da amiga. Ele parou em um local antes para comprar comida. Antes de entrar na residência, ele foi atingido. A gente tem uma imagem de uma casa do lado, em que duas pessoas chegam ao local de moto por volta do horário descrito na denúncia [23h30]. Em contrapartida, a gente tem um depoimento que coloca a motocicleta em outro local. Estamos confrontando as informações para ver qual das duas motos pode ser realmente aquela que participou do crime", informou Ivo Martins.
Inicialmente, a polícia havia informado ao G1 que nenhum pertence do advogado havia sumido. No entando, na noite deste domingo, o delegado Ivo Martins afirmou que o celular do advogado não foi encontrado. "Ele estava com algo em torno de R$ 2 mil. Nada foi levado, com exceção de um celular. Não sabemos se quem levou o celular foi o infrator [atirador] ou se foi alguém que o encontrou na rua. Mas, a gente já está, através do chip, localizando esse celular para poder recuperá-lo", disse o delegado.
Ainda de acordo com o titular da DEHS, uma equipe do Insituto de Criminalística foi ao local do crime para fazer perícia e reconstituição do caso. As investigações são conduzidas pela polícia do Amazonas com o apoio da polícia do Pará. "Inclusive, eles já estão nos auxiliando com informaões relacionadas às ameaças de morte que ele vinha sofrendo lá. Estamos em contato total com a Secretaria de Inteligência do Estado do Pará", afirmou Ivo Martins.
Embora investigue uma suposta execução, a polícia não descarta a hipótese de latrocínio. "A gente precisa estabelecer com exatidão, para não ter nenhuma precipitação a respeito da motivação, se realmente foi um assalto ou se foi uma execução. Não descartamos o assalto porque, infelizmente, é comum as pessoas serem assaltadas vindo do aeroporto portando malas. A gente também está com as imagens do trajeto dele desde o aeroporto para saber se ele foi seguido. Enfim, a gente está em um trabalho de coleta de provas", disse o delegado.
O delegado informou ainda que a amiga do advogado e outas pessoas serão ouvidas ao longo desta semana.
Crime ocorreu na noite de sábado (24) em rua do bairro Redenção, Zona Centro-Oeste de Manaus (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Crime ocorreu na rua que aparece nesta imagem,
em Manaus (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Crime

O assassinato ocorreu por volta das 23h40 de sábado na Rua 15 de Outubro. De acordo com a Polícia Civil local, a autoria do crime é desconhecida. No entanto, testemunhas afirmaram que a vítima foi abordada por dois homens em uma motocicleta, enquanto andava em via pública. Um deles efetuou o disparo, que atingiu o abdômen de Jakson Silva. O advogado chegou a ser socorrido por populares e levado ao SPA Alvorada, mas não resistiu aos ferimentos.

Ainda segundo a polícia, com a vítima, teriam sido encontrados R$ 1.900 em espécie, um notebook e um smartphone.
Ameaças
A diretoria da OAB-PA decretou luto oficial de três dias pela morte do advogado. Uma comitiva da Ordem veio a Manaus neste domingo (25) para tentar a remoção do corpo de Jakson Silva para o município de Parauapebas, no Sudeste do Pará, onde ele será velado e sepultado.

O presidente da OAB-PA, Jarbas Vasconcelos, afirmou ao G1 que o nome de Jakson Silva estava numa lista de pessoas ameaçadas de morte. "Tudo nos leva a crer que esse foi mais um brutal assassinato ligado ao exercício profissional da advocacia e que trata-se, portanto, de uma gravíssima violação das prerrogativas", afirmou Jarbas Vasconcelos.
Comitiva da OAB-PA chegou à capital do Amazonas na tarde deste domingo  (Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Comitiva da OAB-PA veio a Manaus neste domingo
para acompanhar investigações do caso
(Foto: Adneison Severiano/G1 AM)
Segundo Vasconcelos, o advogado investigava denúncias de improbidade administrativa na Prefeitura de Parauapebas. "Ele foi ameaçado gravemente por denúncias feitas em contratos de licitação na Prefeitura. Então, essa é uma linha que tem que ser investigada", disse ao chegar a Manaus.
Desde 2011, sete advogados foram assassinados no Estado do Pará. Segundo a OAB, são inúmeros os registros de queixa dos profissionais por ameaças de morte, entre eles o de Jakson de Souza e Silva, registrado no dia 10 de janeiro de 2014, após receber um bilhete ameaçador enquanto estava em um restaurante.
Há um ano, durante reunião que aconteceu na sede do Ministério Público em Belém, o presidente da Ordem, Jarbas Vasconcelos, apresentou dados que demonstravam a existência de organização criminosa contra advogados e políticos. A reunião aconteceu após denúncias divulgadas nos meios de comunicação de Parauapebas que afirmavam a existência de suposta lista de "marcados para morrer" naquele município, dentre os quais estava o nome do advogado Jakson de Souza e Silva.
Em ofício encaminhado ao Promotor de Justiça Coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado, Milton Menezes, a OAB explica que a ameaça foi denunciada por meio do "disque denúncia de Parauapebas" e por bilhete deixado em um restaurante no município.
O presidente da Ordem chama a atenção para o fato de que, em matéria veiculada sobre o assunto, um dos integrantes da lista, o jornalista Wandernilson Santos da Costa, que é um dos clientes do advogado Jakson em ações judiciais relativas a atos de improbidade administrativa no município, foi alvejado por dois pistoleiros na manhã do dia 13 de janeiro deste ano, ao sair de sua residência para trabalhar. Ele sobreviveu.
Além do presidente da OAB-PA, o conselheiro seccional Robério D'Oliveira e o vice-presidente da Comissão de Defesa das Prerrogativas da instituição, Rodrigo Godinho, vieram a Manaus neste domingo para acompanhar as investigações do caso. A comitiva foi à Delegacia de Homicídios, na Zona Oeste de Manaus, para repassar informações sobre as ameaças que o advogado vinha sofrendo no Pará.
Jakson Silva

O advogado era formado pela Universidade Federal do Estado do Pará (UFPA). Ele deixou esposa e quatro filhos, o mais novo com apenas 18 meses de idade. No ano passado, durante a cerimônia de abertura oficial da VI Conferência dos Advogados do Pará, ele foi agraciado com a Ordem do Mérito Advocatício, a maior honraria concedida pela OAB do Pará.

Jakson Silva era natural de Santana do Araguaia, no Sul do Pará. Ele exercia a profissão em Parauapebas, localizado no Sudeste do estado.
Na manhã deste domingo (25), a Prefeitura de Parauapebas publicou nota de pesar sobre o falecimento do advogado no site institucional. "O Governo Municipal, que sempre se mostrou parceiro da OAB, se solidariza e une em oração aos amigos e família da vítima neste momento onde somente o Criador poderá trazer paz", diz trecho da nota.
*(Colaborou Suelen Gonçalves, do G1 AM)

PSOL - Nota de Pesar


Desapropriações e HR Construtora seriam futuras ações do Dr. JAKSON

As desapropriações para o Minha Casa Minha Vida realizadas por VALMIR DA INTEGRAL, beneficiando a incorporadora NOVA CARAJÁS e o financiador de campanha HAMILTON RIBEIRO seriam alvos de futuras ações do Dr. JAKSON



Mais pelo que ia fazer do que pelo já feito, talvez nesse ponto deva ser a principal linha de investigação das ameaças recebidas pelo Dr. JAKSON e demais pessoas que lhe auxiliavam na atuação contra os desmandos no atual governo municipal de Parauapebas.

Contratos suspeitos

Chamou a atenção os contratos abocanhados pelo empresário HAMILTON RIBEIRO, notadamente nas desapropriações e na construção civil, sendo que sua empresa a HR CONSTRUTORA  foi criada após VALMIR DA INTEGRAL se tornar prefeito de Parauapebas.

VALMIR DA INTEGRAL: interesse por indenizações milionárias

O prefeito Valmir tem especial interesse nas desapropriações de áreas no município, inclusive envolvendo o programa MINHA CASA MINHA VIDA.

Os valores desembolsados pelo prefeito são absurdamente elevados, por loteamentos realizados em franca violação à lei e sem qualquer estrutura urbana. São áreas que os proprietários declararam valer 10 a 15 vezes menos que as indenizações pagas pelo prefeito de Parauapebas, VALMIR DA INTEGRAL. 

Cadeia (dominial)

Não é preciso dizer a quem de direito que as desapropriações abaixo tem que ser esmiuçadas, a cadeia dominial tem que vir a público, quebrar sigilo dos beneficiados, bloquear todos os recursos desembolsados, pode até ser que não se encontre os assassinos, mas crimes encontrarão.

Vejam as desapropriações

Hamilton Ribeiro é um dos principais beneficiados
pelas desapropriações que seriam combatidas pelo
Dr. JAKSON


O prefeito cuidou e assegurou uma composição "surreal do conselho", para ter total controle nomeou os vereadores MARIDÉ, BRAZ e o ficha suja ALBERTO DELFINO (veja aqui), além da secretária MAQUIVALDA, o objetivo de tudo é aprovar as desapropriações e as despesas da Secretaria de Habitação.

Dr. JAKSON tentou barrar intenções do prefeito

Dr. JAKSON e a OAB-Parauapebas lutaram para que o Conselho de Habitação tivessem outra composição, foram derrotados pelo prefeito VALMIR DA INTEGRAL.

Braz e Maquivalda  

A formação do Conselho com os membros indicados pelo prefeito e pela Câmara diz muito sobre o que ocorre no órgão.

O vereador BRAZ é suplente, esposo da secretária de habitação, MAQUIVALDA, que é titular do Conselho, por aí já se vê o grau de republicanismo que norteia as atitudes do casal.

Por razões óbvias, a presença do vereador BRAZ vicia toda as deliberações do Conselho de Habitação, denotando um total desprezo do vereador pela ética e pelo decoro parlamentar. 

Maridé

O vereador MARIDÉ, ao que se comenta, teria sido empregado do empresário e financiador de campanha Hamilton Ribeiro. 

Alberto, ficha suja

Alberto Delfino, o ficha suja, é lotado no gabinete do prefeito municipal, Valmir da Integral.

Conselho contaminado por interesses escusos

O Conselho Municipal não tem a menor representatividade, estando contaminado e devendo ser objeto de imediata dissolução e investigação pelo Ministério Público e Polícia Federal.

Veja mais:


Autoridades do Pará sabiam das ameaças e pouco se fez

Interferência do prefeito VALMIR DA INTEGRAL fez a segurança no município ficar caótica

Valmir da Integral e o comandante da PM
em Parauapebas
Recentemente, VALMIR DA INTEGRAL pressionou politicamente o governador Jatene e toda a cúpula da segurança pública em Parauapebas foi substituída, a situação da segurança apenas piorou com a interferência do prefeito. 

VALMIR DA INTEGRAL conseguiu trocar o comando da PM e alguns Delegados, está na hora de todos serem substituídos novamente, dado o fracasso de suas atuações no município. 

OAB já tinha alertado Procurador Geral de Justiça e autoridades policiais

Autoridades do Pará sabiam das denúncias e ameaças sofridas por Dr. JAKSON, não elucidaram os crimes anteriores, e ainda se vê pouco empenho do governo do estado em esclarecer os fatos.

Do fato

A reunião solicitada pela OAB-PA do ano passado aconteceu após denúncias divulgadas nos meios de comunicação de Parauapebas que afirma a existência de suposta lista de “marcados para morrer” naquele município, dentre os quais está o advogado Jakson de Souza e Silva, presidente da subseção daquela cidade.

Em ofício (007/2014 – ASS. JUR) encaminhado ao Promotor de Justiça Coordenador do Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado – GAECO Milton Menezes, a OAB explica que a ameaça foi denunciada através do “disque denúncia de Parauapebas” no último dia 10 de janeiro e por meio de um bilhete deixado em um restaurante no município.

Em documento, o presidente da Ordem chama atenção para o fato de que, em matéria veiculada sobre o assunto, um dos integrantes da lista, o jornalista Wandernilson Santos da Costa, conhecido pelo epíteto “Popó” – que é um dos clientes do advogado Jakson, em ações judiciais relativas a atos de improbidade administrativa movidas contra o Prefeito de Parauapebas - foi alvejado por dois pistoleiros na manhã do último dia 13 de janeiro, ao sair de sua residência para ir trabalhar. O jornalista escapou com vida.

A matéria também levando casos de improbidade administrativa realizadas por alguns gestores do município.

Outras providências

Uma cópia do ofício também foi enviada, a época, ao Delegado Geral de Polícia Civil do Estado do Pará, Rilmar Firmino de Souza, pedindo que o fato seja incluído no recém-criado GAER – Grupo de Atuação Especial de Repressão a Crimes de Representatividade para atuar no caso.

A OAB-PA também solicitou ao secretário de Estado de Segurança Pública e Defesa Social, Luiz Fernandes Rocha, a inclusão do advogado Jakson Silva no PROVITA – Programa de Proteção à vitimas e testemunhas, tendo em vista que o objetivo precípuo do programa é a efetivação da justiça e o combate à impunidade e a violência.

Em ofício enviado ao Conselho Federal, o presidente da seccional, Jarbas Vasconcelos, afirma que a entidade já solicitou formalmente às autoridades de segurança do Estado e ao Ministério Público providências urgentes para a solução dos casos ainda em aberto, bem como para evitar que os fatos se repitam.

Leia matéria completa no www.oabpa.org.br ou www.ogazeta.blogspot.com.br

Jakson Silva - Corpo do advogado assassinado chega amanhã em Parauapebas

1184757 473628346086277 1556855023 nHoje a tarde, o presidente da OAB-PA, Jarbas Vasconcelos, providenciou a liberação do corpo, que deve sair amanhã (26), por voltas das sete horas da manhã, da capital amazonense rumo ao município de Parauapebas, onde será velado, na sede da Ordem. O sepultamento acontecerá terça-feira, dia 27, às 10 da manhã, em um cemitério público da cidade.
Vasconcelos, o conselheiro seccional, Robério d’Oliveira e o presidente da seccional do Amazonas, Antonio Simonetti, continuam em Manaus, acompanhando todos os procedimentos para apuração do assassinato do advogado Jakson Silva – presidente da subseção da OAB em Parauapebas, ocorrido ontem à noite, na capital amazonense.
A Comissão de defesa das Prerrogativas do Amazonas já se habilitou para acompanhar o inquérito policial. Agora a comitiva da OAB do Pará e do Amazonas reúne com Delegado Geral da Polícia Civil daquele estado, Orlando Amaral. Ele já conversou por telefone com o Delegado Geral de Polícia Civil do Pará, com quem obteve informações sobre as ameaças de morte que Jakson teria sofrido em 2013.
Também está programada para amanhã, às 16h, uma grande manifestação em todas as subseções da Ordem no estado. Elas deverão promover caminhadas nos seus municípios em repúdio à onda de violência no estado e que já vitimou de morte oito advogados nos últimos quatro anos.

Fonte: OAB-PA